Mostrando postagens com marcador vida. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador vida. Mostrar todas as postagens

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

QUANDO LI O FILHO DE MIL HOMENS


Conheci a literatura de Valter Hugo Mãe através do Romance de Baltazar Serapião que falei aqui no blog, literatura envolvente, densa e de qualidade, assim não foi surpresa para mim O Filho de Mil Homens livro com a mesma qualidade literária que cai de amores a primeira vista. É um livro que qualifico como sincero, porque há tanta realidade nos personagens que é impossível não se apaixonar. O livro é um acalanto, um lembrete, uma esperança que as vezes pela dureza da vida fica guardada no fundo da alma.


O livro conta a estória de Crisóstomo um homem de quarenta que se vê como alguém pela metade carregado de ausências e silêncios, como alguém que necessitava de se entregar ao outro para curar sua solidão. A partir dessa base o romance se fundamenta como algo delicado e terno. Crisóstomo sai em busca de um filho e encontra Camilo um rapaz sozinho que o avó acabara de morrer. Daí são histórias entrecortadas que mostram: o pescador que queria um filho; o filho que não tinha um pai;  uma anã que queria amar;  Isaura uma mulher que era rejeitava pelo amor e resolveu ficar feia e triste; Antonino um “homem maricas” que queria casar com um mulher para ser aceito; Matilde uma mãe que queria amar.


Tenho tanta fé nas palavras que acredito esse livro deveria ser lido pelo maior número de pessoas, tenho vontade de doá-lo a parentes e amigos. As estórias dos personagens mostram que para ser feliz é preciso aceitar aquilo que se pode ser, reforçando uma frase que gosto muito que é “a vida não é feita do ideal, a vida é feita do possível”. A forma como os personagens são apresentados é genial, a cada capítulo eles vão se envolvendo com os anteriores. A linguagem é toda poética muito longe do óbvio.


Fiquei encantada com a procura pela felicidade de cada personagem, eles enfrentam tudo: a solidão, a morte, o preconceito, a inveja, mas a esperança é quem dá o tom em cada página. É o tipo de livro que nos identificamos com ele, afinal a busca da felicidade é inerente a condição humana. Leitura recomendadíssima com todas as estrelas possíveis e lugar de destaque em minha estante.


domingo, 8 de dezembro de 2013

SOBRE A VIDA



A angustia de comprovar por meios racionais se existe vida após a morte acompanha a humanidade desde os seus primórdios. Imaginar que nos transformaremos em pó e que capacidades cognitivas adquiridas com tanto sacrifício se perderão irreversivelmente é a mais dolorosa das especulações existenciais, principalmente quando se vivencia uma doença grave como o câncer.


Tamanho interesse no destino posterior a morte, contrasta com a falta de curiosidade em saber de onde viemos. O que erámos antes do espermatozoide se encontrar no momento da concepção? Aceitamos com naturalidade o inexistir antes desse fato, mas temos dificuldade em admitir a volta a mesma condição do caminho.


Consideramos a vida uma dádiva da natureza, e nosso corpo uma entidade construída exclusivamente para nos trazer felicidade, atender aos nossos caprichos e nos proporcionar prazer. Essa visão egocêntrica mostra que somos seres exigentes, revoltados, queixosos, permanentemente insatisfeitos com os limites impostos pelo corpo e com as imperfeições inerentes à condição humana. Acordamos todas as manhas com a sensação de plenitude, e de funcionamento harmonioso do organismo que o desconforto físico mas insignificante, a mais banal contrariedade são suficientes para nos causar amargura e crises de irritação.


            As sensações de felicidade, ao contrário, geralmente são fugazes, o aparecimento de uma doença grave, eventualmente letal, tem o condão de desestruturar personalidades, causar desespero, destruir esperanças, inviabilizar qualquer alegria futura. Mas comigo não foi isso que aconteceu, vencida a revolta do primeiro choque e as aflições iniciais, associadas ao medo do desconhecido tenho conseguido reagir e descoberto prazeres insuspeitáveis na rotina diária. Laços afetivos que de outra forma não seriam identificados ou renovados,  serenidade para enfrentar os contratempos e busca de sabedoria para enfrentar aquilo que não pode ser mudado.


            Quando entendi que podia morrer pensei: não tem cabimento desperdiçar o resto da vida, viverei assim: se alguma coisa me desagrada procuro avaliar qual a importância que ela tem para o universo. Descobri que é possível ser feliz até quando estou triste, e quanto a isso, não tenho medo de me enredar em clichês ou na vala comum das vãs filosofias. 

quarta-feira, 19 de junho de 2013

SOMOS AQUILO QUE ESCOLHEMOS





Passamos a vida escolhendo essencialmente tudo. Nesse instante milhares de pessoas estão dizendo sim para a vida e para as decisões que viver acarreta, alguns estão pensando em mudanças, em recomeços, em desistências, qualquer que seja a decisão, uma coisa é certa esses apontamentos levam a marcha da nossa existência.


No ato de escolher está implicado o arrependimento, as escolhas devem ser feitas com vistas a não nos arrependermos depois, para somente assim ser possível viver a vida com plenitude. No ato de escolhermos necessitamos de um referencial que nos indique para onde estamos indo na trajetória da vida, esse referencial pode ter como base a fé, os acontecimentos sociais, ou a força inconsciente que move as escolhas da vida de cada ser humano.


Penso que toda escolha inclui necessariamente uma perda, perde-se de um lado mais ganha-se de outro e é por isso que a vida é tão fascinante, e com base nesse pressuposto não podemos lamentar a perda sem considerar o ganho que não pode ser imediato, nem aparente mas que depois pode vim muito maior. As escolhas que faremos durante a vida podem acarretar mas experiências que considero necessárias se admitidas plenamente e saboreadas em seu gosto amargo que nos ensina a viver.


O importante para não nos arrependermos de nossas escolhas é que não podemos julgar uma decisão do passado com vistas a nossa visão de mundo no presente. O que foi decidido era com vistas naquela ocasião, se todos nos tivéssemos o olhar que temos hoje das rotas do passado seria possível que não causássemos tantos desvios, mas não podemos nos desviar do passado, o que foi feito acarretará consequências para o resto de nossas vidas.

Entendo que viver é fazer escolhas e algumas delas implica em se desprender de prazeres imediatos, o que pode se abrir mão de controle, perfeição, sociabilidade, é preciso saber sobreviver aos amores e as perdas, pesar os prós, os contras de todas as coisas aceita-las e não se arrepender das escolhas feitas, afinal faz parte das manifestações da vida.



quarta-feira, 5 de junho de 2013

DECISÕES DEFINITIVAS





            Aprendi nas Ciências Sociais que o homem é um ser gregário por natureza, ou seja, é preciso está junto para se fortalecer, o grupo social é mais forte do que o indivíduo isolado, sozinho, é a velha máxima “juntos somos mais fortes”. Com os grupos sociais se criam os mitos, os hábitos, os costumes, dentre eles um evento curioso é a negação da finitude da vida. Nos mais diversos grupos sociais se discute que a vida não se encerra meramente com a extinção da vida física, acredita-se na existência de um mundo metafísico capaz de prolongar a vida com todos os seus ônus e bônus.


            Mas como agir na vida quando nos deparamos com situações que trazem a iminência de sua finitude como uma doença séria? Foi nisso que pensei quando recebi o diagnóstico de câncer, e a vida como fica? Fora os avanços da ciência que dão uma margem de esperança considerável algumas atitudes devem ser pensadas, não se devem esperar resultados, mas fazer as respostas. Temos dificuldade de pensar na ideia da morte, negamos nosso fim a todo momento.



            A perspectiva do fim mobiliza o apego e o desejo de usufruir intensamente a benesses da vida. Uma coisa que aprendi sobre o fim é que esquecemos que tudo está se modificando continuamente, a cada minuto as células do nosso corpo se transformam, mudam, morrem. O que os mitos fazem é criar a ilusão de que nada muda, isso se dá através do trabalho, do estado civil, da vida amorosa.



            O inevitável porém, são as mudanças, temos que nos despedir de cada imagem que criamos, e da própria ideia que fazemos de nos mesmos, entendi que a cereja do bolo de minha vida é formada pelas pequenas coisas como acordar fisicamente bem, ouvir música, escrever, ler ouvir pessoas, é das pequenas coisas que a vida é feita e é por isso que vale tanto viver.

domingo, 4 de novembro de 2012

A HORA DE DESACELERAR



            Tenho a impressão que vivemos o tempo todo em ritmo frenético, conheço pessoas que trabalham doze horas por dia e se consideram bem sucedidas, porque acreditam ser necessário viver desse jeito em sua grande maioria para manter o alto custo de consumo que tem as suas vidas, isso é o homem contemporâneo.


            O filósofo Nietsche dizia que aquele que não tem dois terços do dia só para si é escravo, não importando o que seja: estadista, comerciante, funcionário ou erudito. Vivemos um processo de histeria coletiva pelo correr das horas, onde as pessoas dizem que as 24 horas do dia não são suficientes para a resolução dos seus afazeres.


            O trabalho invadiu de uma forma desordenada a vida pessoal, a ânsia das pessoas para viverem de acordo com os padrões da contemporaneidade em especial os padrões de consumo, torna o ter coisas, mais importante do que ser alguém que valoriza momentos simples como o olhar nos olhos de quem fala, valorizar o por do sol, ou está ao lado de alguém que precisa de ajuda.


Comungo do pensamento de Aristóteles que acredita que a meta é a busca do equilíbrio, sem excessos de atividades que levariam a desgastes, nem excessos de descanso que pode chegar a estagnação. Para mim aproveitar bem o tempo é se conhecer cada vez mais, e buscar a paz interior. Por fim tenho um questionamento que ecoa em minha cabeça: para que correr tanto se a vida é um bem tão raro?